Site Oficial do Movimento
RIO GRANDE LIVRE
Desenvolvimento de bases teóricas

Home Inscrição Contato Doação Facebook

           

AS CAPAS CULTURAIS

AUTONOMISMO

DEFINIÇÕES     

BASES     

O PAÍS     

PERIFÉRICOS     

 

HISTÓRIA

RECONTANDO     

RESUMO     

CRONOLOGIA     

DOCUMENTOS     

CURIOSIDADES     

 

BIBLIOTECA

LIVROS     

TRABALHOS     

MATÉRIAS     

FOTOS     

LINKS     

  

 
 
         O mundo moderno, com o advento da globalização, trouxe um modo de viver, de pensar e consumir, se não igual, muito semelhante para todos os povos do mundo. O modo de um paulistano viver é basicamente o mesmo de um nova-iorquino, ou de um moscovita.
 
          Onde quer que haja uma cidade média ou grande, ou ainda alguma metrópole e megalópole, há uma espécie de "cultura citadina", que envolve a todos os seus habitantes, cobrindo-os todos com um único "pó urbano".
 
          Isso é tão facilmente observável, que dispensa maiores comprovações.
 
          Podemos chamá-lo, para entendimento nosso, de "CULTURA URBANA".
 
          Esta cultura, criada pelo modernismo e seus aliados (os meios de comunicação), acaba por acobertar uma outra cultura natural, do local, com cores e características únicas e próprias de cada povo.
 
          Esta cultura básica que todo o povo, e cada cidadão, traz em si, é visto então como folclore, tradição, mito. Apesar disso ela continua internamente, no sub-consciente, ditando o "modus operandi" dos cidadãos em ações individuais ou em conjunto, sendo a base de suas atitudes e reações.
  
          Porém é algo que está, nas cidades modernas, sendo relegado a um segundo plano, enraizado na alma de cada integrante deste povo, amordaçado, reprimido, asfixiado até.
 
          Bem, dizem que estamos caminhando a passos largos na direção de uma única cultura mundial, uma só nação de 10 ou 12 bilhões de pessoas... É algo aterrador! Mas este viés não é o objetivo deste texto.
 
          Por enquanto ainda temos culturas diferenciadas, marcando nações diferenciadas e, por vezes, países diferenciados.
 
          Este fato é responsável pela diversidade de matizes culturais da humanidade. E isso é bom, por enquanto.
 
          Jean-Jacques Rousseau, em seu famoso Contrato Social, asseverou que os países, à exemplo das pessoas, deveriam ter um tamanho médio. Caso um país fosse grande demais sofreria de gigantismo, se pequeno demais, de ananismo, assim como os seres humanos!
 
          A assertiva de Rousseau leva em consideração o fato de que em um país com enorme território, crescem e se desenvolvem povos em tão variadas condições que um basicamente nada tem em comum com o outro, exceto o fato de estarem compartilhando de um mesmo território gigante e se submeterem à leis únicas para todos.
 
          Com o Brasil gigante não é diferente. Nele nasceram e se desenvolveram povos em condições climáticas, geográficas, históricas e até étnicas, completamente diferentes uns dos outros.
 
          Ora, devido exatamente a estas diferenças de condições, mas principalmente porque seus povos, amadurecidos, acentuam e evidenciam estas diferenças, as necessidades e exigências destes povos são, por óbvio, igualmente diferentes umas das outras.
 
          "Ah, mas não é bem isso que observamos no Brasil", diriam os defensores da brasilidade. O território todo tem mais ou menos as mesmas reivindicações, os mesmos desejos, e até as mesmas frustações!
 
          Aqui entra a questão abordada em primeiro lugar: A cobertura de um "pó urbano", ou se quiserem, a Cultura Urbana.
 
                Mas ainda aqui temos mais um agravante.
 
                Até a década de 30 os Estados brasileiros conseguiam manter uma boa dose de autonomia política e econômica, contribuindo com uma pequena quota para o benefício do todo, que era por certo distribuída entre os Estados menos aquinhoados.
 
                Porém, com a criação da "brasilidade" nesta década, pelo gaúcho Getúlio Vargas, principalmente no período ditatorial, uma nova "capa" vem cobrir os povos que convivem no território brasileiro, a capa da "CULTURA BRASILEIRA", levada à cabo naquela época com muita eficiência através de Leis, Instituições e ordenamentos diversos.
 
                Depois dessa "criação" vivemos no mundo o rápido desenvolvimento dos meios de comunicação de massa que foram habilmente utilizados para impor e reforçar esta capa cultural a todos os demais povos.
 
                Naturalmente a Cultura Brasileira sobressaía-se sobre as demais por ter como berço os povos e locais onde viveram os principais colonizadores portugueses, a Corte fugidia, que se instalou na Bahia e posteriormente no Rio de Janeiro. Esta seria, pois, a "legítima cultura" de todo o enorme território brasileiro. E assim foi tratada e conduzida.
 
                Agora podemos ver com mais clareza a situação da cultura gaúcha, no Rio Grande do Sul.
 
                Uma grossa e pesada capa cultural brasileira encobrindo-os nas médias e grandes cidades. E por cima, e mais poderosa, a capa da cultura urbana mundial.
 
                Difícil visualizá-la, não?
 
                Quando olhamos para o gaúcho hoje, caminhando sério pela Rua da Praia na hora do "rush", vemos um brasileiro urbano, como todos os demais... Não nos apercebemos, num primeiro momento, do que poderia ter aquele cidadão de diferente dos demais, das outras capitais do país, ou mesmo das outras cidades do mundo.
 
                A cultura gaúcha, dentro de seu ser, está tão oprimida, tão pequena e distante, que na maioria das vezes nem ele mesmo percebe! Sente-se um brasileiro, cidadão do mundo, com seu iPhone, Bluetooth ao ouvido, cantando um pagode.
 
                Não se apercebe, este cidadão, que está passando por um processo de massificação, onde ele é apenas um entre 200 milhões, ou um entre 7 bilhões! Mais um que está sendo levado, inconscientemente, a consumir produtos globalizados, e adotar posturas brasileiras, que por sua natureza, possivelmente não as teria. Vê-se parte de um enorme quebra-cabeças, contribuindo para a realização de um futuro que não sente, que não é o seu desejo de futuro, mas apenas de um povo distante, em outra realidade, culturalmente brasileiro.
 
                Bluntschli enunciou o Princípio das Nacionalidades nos seguintes termos: "Toda nação é destinada a formar um Estado, tem o direito de se organizar em Estado. A humanidade divide-se em nações; o mundo deve dividir-se em Estados que lhes correspondam. Toda nação é um Estado; todo Estado, uma pessoa nacional".
 
                O povo gaúcho do Rio Grande só pode ser aceito como uma nação quando SE VER E SE ACEITAR como um povo com uma cultura diferenciada, tanto da brasileira como de qualquer outra do mundo!
 
                Para isso precisa conhecer-se e reconhecer-se a si mesmo. Olhar com atenção em seu íntimo, sua essência, sua alma, por debaixo das capas culturais!
 
                Precisa entender por que se emociona quando canta o Hino do Rio Grande no estádio. Precisa deixar aflorar corajosamente a emoção e as lágrimas quando admira sua bandeira tricolor tremulando sobre os galpões do Parque Harmonia no mês Farroupilha, ou por que fica hipnotizado diante de um filme sobre o Rio Grande, suas coisas, sua história ou com tema gaúcho!
 
                O gaúcho rio-grandense precisa sacudir estas capas citadinas e brasileiras, para se perceber legitimamente gaúcho!
 
                Já aconteceu com muitos, mas não com a maioria... Precisam ser sacudidos!
 
                Não é só uma questão subjetiva de sentimento. Há comprovações em fatos históricos, geográficos, econômicos e até espirituais. Se o objetivo da humanidade é buscar a felicidade, cada povo tem seu próprio modo de procurá-la, devido a estas diferenças culturais. O Gaúcho rio-grandense só a poderá buscar de forma consequente quando assumir sua identidade única e diferenciada das demais, constituindo assim, por força da própria natureza, uma nação de fato e constituindo um Estado de Direito.
 
 
Criado e Composto por Romualdo Negreiros - Porto Alegre - Capital da República Rio-Grandense - 2015